Superação de velhos hábitos

“Deixa que os mortos enterrem os seus mortos...
Porém, tu, vai e anuncia o reino de Deus”
Jesus – Lucas, 9:59-60

A vida caminha em ciclos. Tudo é impermanente e precisamos nos ajustar a essa realidade. Às vezes, em nosso processo educativo como espíritos imortais, sentimos profunda insatisfação e percebemos a necessidade de alterarmos rumos. João de Deus, um místico da Idade Média, se referia a esses momentos como a “noite escura da alma”, que não precisamos temer, pois ela passa e chega sempre, triunfante, o alvorecer de um novo dia, de um ciclo de aprendizagem adequado ao nosso novo nível de consciência.

Jesus sempre nos faz refletir sobre a necessidade de deixarmos o passado, naquilo que ele possui de morto, inútil, negativo, para caminharmos rumo a novos horizontes. Velhos costumes perniciosos, porém, repletos de referências ancestrais, nos dificultam colocar em prática as sublimes lições do Cristo. Paulo de Tarso, o Apóstolo dos Gentios, dizia que o bem que ele desejava fazer, esse ele não fazia. No entanto, o mal, que ele não desejava pôr em prática, esse ele realizava (Romanos, 7:19). É a força dos condicionamentos, do enraizamento de ações repetidas, que acabam por construir em nosso próprio cérebro físico uma rede de ligações neurais que nos dificultam a análise dos desafios sob nova ótica.

Como, então, introduzir mudanças positivas em nossas vidas?

Inicialmente, é bom perceber que toda mudança passa por fases bem definidas. Há a rejeição inicial da possibilidade de mudarmos e sairmos de nossa zona de conforto. Pensamos ser impossível organizar a vida ou a situação de modo diferente. Depois, vem a fase da aceitação desta realidade e do desejo e disposição de enfrentar o ponto de mutação. Inicia-se, então, uma fase que exige de nós muita atenção, pois, além de planejar a mudança, necessitamos dar pequenos passos de cada vez e repeti-los várias vezes. Se forçarmos uma transformação imediata e radical, o nosso psiquismo não terá tempo de adaptar-se à nova situação e surgirá a resistência, inclusive física e emocional. Assim que o novo comportamento estiver estabilizado, dê um novo pequeno passo, sempre atento à direção: Será que esse caminho irá me conduzir ao equilíbrio e à paz com Jesus?

Estudar permanentemente os ensinos do Cristo, alma querida, e coloca-los em nossa vida, é a única segurança do caminho.

Todo aquele que ouve as palavras que digo, e as pratica, será comparado a um homem sábio, que construiu sua casa sobre a rocha. E quando a chuva caiu, e os rios transbordaram, e os ventos sopraram e se abateram sobre essa casa, ela não caiu, porque foi edificada sobre a rocha... (Mateus, 7:24 a 27).

Texto retirado do livro "Vivências com Jesus", de Yasmin Madeira