Pistas luminosas

A Parábola do Filho Pródigo tem sido interpretada como uma história poética construída por Jesus para nos explicar o amor de deus aos filhos ingratos que, ao arrependerem-se de seus erros, retornam à casa paterna. 

Ao estudar mais detidamente a comovente narrativa do Cristo à luz do texto original grego do século primeiro, outros ensinamentos ainda se desvelam como pistas luminosas do processo ascensional humano. 

Na parábola um homem tinha dois filhos e o mais novo disse ao pai: “concede-me a parte da natureza que me convém”. Em silêncio, o pai dividiu com eles a vida. os tradutores entenderam a palavra “natureza” ou “porção de substância”, como aparece na vulgata Latina, como sendo dinheiro. Porém, o texto grego, não se referindo à partilha de bens, nos possibilita outras interpretações. o pai dividiu com seus filhos a vida, a possibilidade de agir, de escolher. o mais velho continuou com sua vida dependente, enquanto o mais novo decidiu partir para uma terra longínqua. Quem sabe mergulhou nos fluidos grosseiros da carne, encarnando?

De posse, porém, de seu livre arbítrio e da substância divina da vida, deixou-se iludir, atendendo tão somente aos desejos da matéria. Apenas usufruindo e nada construindo de valor eterno não tardou a sofrer necessidades. Colocou-se, então, à serviço de um cidadão “daquelas terras”, que lhe mandou guardar os porcos. Em sua degradação, quando desejou “ingerir” a mesma substância da qual se alimentavam os animais, sem que ninguém lhe atendesse, despertou nele a dignidade de filho. Lembrou-se que na casa do pai nenhum trabalhador sente fome! Decidiu, então, retornar ao regaço paterno, reconhecer seus equívocos e rogar ser tratado tão somente como servo.

Desejar regressar à casa paterna, reconhecer seus erros e ser humilde são passos que ressaltam na história como requisitos fundamentais para o grande retorno à casa do pai, que, em realidade, não é um lugar específico no universo, mas um estado vibratório do Ser. 

Como o filho pródigo da parábola, em nossa epopeia individual, ao recebermos um corpo físico gastamos muitas vezes nossas energias em atendimento tão somente aos interesses da matéria. Para retornarmos ao Pai, nos integrando ao Seu amor, à Sua paz, à Sua luz, precisamos desejar, dar o primeiro passo. Não importa nosso passado, nossos erros e decepções.

Na busca desse Sagrado Encontro imagine-se, alma querida, diante de Jesus. observe a aparência do Mestre e fixe sua atenção em Seu olhar... observe o Amor que brota desse olhar, a doçura, a paz que invade você... 

Jesus, nesse momento, vai ficando diáfano... como um holograma de luz... sem receio, caminhe na direção do Cristo e penetre nessa representação holográfica do Senhor... eu sou o caminho, diz Jesus... ninguém vai o Pai senão por mim... esclarece o Mestre... 

Dentro desse holograma de Jesus perceba-se diante de imenso Sol... seu intenso brilho não traz nenhum incômodo aos seus olhos, pelo contrário... essa luz lhe penetra todos os níveis do ser... esse é um momento especial... você está de retorno à Casa Paterna... a luz desse Sol penetra por seus poros, desobstruindo seus centros de força e ativando suas percepções da presença de deus. Sinta-se amado (a), festejado (a) como o filho esperado que retorna ao coração cheio de compaixão do pai/mãe, que é DEUS... 
 

Texto retirado do livro "Vivências com Jesus", de Yasmin Madeira
http://www.clubedearte.org/livros/livro-vivencias-com-jesus