A arte da fé

rays-2464986_1920.jpg
 

“...em verdade vos digo que, se tiverdes fé do tamanho de um grão
de mostarda, direis a este monte: passa daqui para acolá, e ele há
de passar, e nada vos será impossível.” (Mateus, XVII:14-19)

Procurou-me um jovem senhor após uma palestra doutrinária, desejando relatar como o Espiritismo mudou sua vida. Viciado em drogas pesadas desde a adolescência, uma tia espírita, em visita à família, ofertou-lhe um exemplar de O Evangelho segundo o Espiritismo
e disse: "Meu filho, deixe-o em sua cabeceira, esse livro pode salvar sua vida!". Conta que abriu a obra ao acaso, curioso, bem no capítulo que trata da forma diferente pela qual o Espiritismo compreende a fé, associada à razão. No dia seguinte, aproveitando que os pais não se
encontravam em casa, fez uso de drogas e sentiu os estertores indicativos de overdose. Virou-se em sua cama e caiu sobre a mesinha, indo ao chão junto com o Evangelho. Em poucos segundos, lembrou-se do que lhe dissera a tia e gritou mentalmente com todas as forças de sua alma: "Salva-me, Jesus!" Logo se sentiu expulso do corpo. Viu ligadas a ele, sugando-lhe a vitalidade e o tóxico, entidades vampirizadoras e identificou seu guia espiritual, aureolado de luz, a lhe prestar auxílio. Não se recorda do que lhe ocorreu depois, apenas que voltou a si em
um hospital e nunca mais recorreu às drogas, sendo hoje ativo trabalhador espírita.

Diversificados são os desafios em nossas vidas: a convivência familiar, as dificuldades profissionais e financeiras, as frustrações por não conseguirmos tudo o que desejamos e do jeito que achamos melhor. Na busca de superação do estresse, dos medos, das nossas
fragilidades, podemos cair nas armadilhas das substâncias que modificam artificialmente e de forma rápida nossa disposição de ânimo, como a comida, o álcool, as drogas, o cigarro. (Claro, não nos referimos aqui aos remédios que a ciência médica nos oferece!) Existem, igualmente, as armadilhas das práticas exóticas que distraem o psiquismo, do sexo pelo sexo, sem amor, do mergulho em sites de perversão na internet... Armadilhas, porque, além de não resolverem o
problema, limitam as expressões de nossa consciência, avivam a área do primitivismo em nosso cérebro, viciam e destroem nosso corpo, nossa autoestima, nosso equilíbrio e nos ligam a entidades enfermas, gerando um angustiante círculo vicioso.

Amiga(o) querida(o), diante das aflições da vida, tendo ou não caído nas armadilhas da fantasia, temos a fé como ponto de partida para a anelada libertação. Não nos referimos à fé cega, que nos encaminha pela senda do fanatismo, mas àquela referendada por Allan
Kardec, que pode encarar a razão em todas as épocas da humanidade e se exprime nas ações do bem. Esse poder é acionado pela força do nosso desejo de mudança e pela compreensão de que Deus, a suprema Força Criadora da Vida, nos ama infinitamente e que, como o pai da
parábola do filho pródigo, nos aguarda o retorno. Por trazermos em nós a genética divina, nosso pensamento é um dínamo gerador de energias que a fé impulsiona. Com ela podemos desfazer obstáculos íntimos ou na esfera das relações interpessoais. Podemos superar dificuldades espirituais ou materiais, vencer vícios e estabelecer novos padrões vivenciais, mas precisamos definir o que realmente desejamos a fim de acionar o poder de Deus em nós. Podemos, igualmente, auxiliar nossos amores, começando por inseri-los em nossas preces, tratando-lhes em nosso íntimo através da visualização, convidando-os, sem exigências, aos estudos em nossa Casa Espírita, realizando o Evangelho no Lar, situando-nos na vibração de Jesus.

Em suas orações diárias evoque com seu pensamento a energia do Pai para a sua vida, a de seus amores e de todo o planeta. Identifique em sua mente o desafio que deseja superar. Veja a situação em sua tela mental. Torne vívidas as cores, sinta o ambiente, observe as pessoas que
participam do problema e suas expressões. Deseje agora que Jesus adentre o ambiente, e que, com Seu amor, cure a situação, em você ou em seus amores, desfazendo todo o mal. Sinta a energia do Cristo envolver a cena e você. Perceba que ela vai diminuindo, se desfazendo, perdendo a cor, se desvitalizando... Surge outra cena, totalmente iluminada, na qual você está feliz e agradecida (o) ao lado de Jesus. A cena aumenta de tamanho e substitui a anterior. Sinta o ambiente, observe tudo ao seu redor, sinta o aroma, a vitalidade em seu corpo... Nessa cena tudo está solucionado, as pessoas estão bem, as cores estão vivas, alegres, você está saudável, em paz, livre!

Todas as conquistas exteriores iniciam em nosso mundo íntimo. Ao nos ensinar as realidades eternas, através de parábolas, o Mestre, em cada história, nos fazia visualizar cenas, viver primeiramente em nosso psiquismo as Suas lições. Viva, então, dentro de você, em cores
vivas e cheia(o) de emoção e saúde, a superação de todos os vícios, a conquista de todos os valores divinos!

Cuide-se bem e seja feliz!

Texto retirado do livro "Vivências com Jesus", de Yasmin Madeira
http://www.clubedearte.org/livros/livro-vivencias-com-jesus