O novo tempo chegou

O Espiritismo é um software de divulgação, consolo e alegria de viver. É uma série de coisas eternas, que são eternamente traduzidas em acordes musicais, melodias suaves, rimas poéticas e vozes harmônicas.

O Brasil é o coração do mundo, uma pátria do evangelho. Nas terras do Cruzeiro, desenvolveram-se projectos de amor e árvore do Evangelho, como novas gerações através da vivência Espírita.

O Rio de Janeiro é o berço da arte e da cultura. Dele irradiam influences para as artes em geral, em todo país. Os talentos do seu povo, refletindo a forma de ser de todos nós.

Um movimento de programação desde 1970 de uma maneira filosófica moral, pela capacidade de percepção e captação antecipada de movimento, pela sensibilidade dos artistas.

A razão da criatividade é exteriorizada com força e originalidade, um movimento de aglutinação de jovens espíritas, durante o carnaval, desde os anos oitenta: A COMEERJ, A Confraternização das Mocidades O Espírito do Estado do Rio de Janeiro.

Os quase 40 anos de atividades serviram para a semeadura e experimentação intramuros, para que os trabalhadores da espírita fossem forjados e com as devidas ativações, com sensibilidade e sintonia, estivessem os primeiros passos na direção dos objetivos da qualificação das produções e preparações. dos corações.

O movimento de séries foi o dos seguros latentes e emergentes.

Os espíritos reencarnaram a partir dos anos 60 com a finalidade de atualizar as artes através da arte nobre, com beleza, harmonia e candura, com produções capazes de tocar corações, com um toque sensível, e uma ligação com a imaginação pode alcançar.  

Assistentes no Rio de Janeiro o surgimento de projetos de Arte Espírita: corais, peças teatrais, grupos de música, compositores, intérpretes, músicos, poetas, oficinas de estudo e prática, mas também, editores, distribuidores, clubes e produtores de audiovisual. As forças foram direcionadas para os fins a que se destinam: Divulgação do Espiritismo, refrigério na alma e geração de estímulo para que perseverem sem desânimo, com alegria, felicidade, alegria e prazer, na busca das conquistas eternas.

Os novos tempos de regeneração, que não são agora, já têm nos sinais que afirmam uma intenção dos isolamentos do Cristo e o início desta caminhada.

O Musical “Entre o Céu e o Inferno”, com a Apresentação do Curta Temporada sem Teatro Miguel Falabella, no Rio de Janeiro, marca o início de uma nova fase para uma pretensão dos adeptos do Espiritismo, da vida e da terra, como as eternidades divulgadas nas suas obras fundamentais.

 Atuando diretamente na empoderamento de todos, nos deliciamos com o ambiente criado por seus integrantes, em torno de 100 jovens de 20 a 40 anos, aproximadamente. Fomos transportados a funções sublimes em viagem ao nosso mundo íntimo, para vivenciar momentos de olhar perpétuo, uma realidade de vida, um processo de percepção com todos os sentidos, uma capacidade de todas as nossas dimensões.

Retornamos essa viagem de duas horas de duração, com uma sensação que tudo faz sentido na nossa vida. 

O musical reuniu obras de arte em diversas direções: direção de autores, trechos de obras diversas, execução ao vivo de diversos instrumentos, performances vocais em solo, duetos e coral, além das artes cênicas, cenografia e dança, equipe de produção de som, luz e registros audiovisuais, tudo pronto, harmonia, técnica, estética, serenidade, sentido de conjunto e maestria. 

A presentation me transmitiu uma mensagem subliminar que foi necessária 15dias para tomar minhas impressões. Necessidade de tempo para processamento de todos os registros do falado, do cantado e do que não foram pensados pelos produtores.

A sessão não está mais presente na fase de pesquisa com erros e acertos, com as características do bandeirantismo em termos de Arte Espírita. Chegou a maturidade ea capacidade de fazer uma junção do belo e do bom, para o nosso prazer, uma renovação de força e uma sensação de conforto cumprido. Mesmo sem estarmos na equipe, nos sentimos realizados pelo resultado que não é o mesmo que uma bilheteria. O Espiritismo agradece